Construções a seco a favor da sustentabilidade

Construção a seco sendo realizada por meio de painéis modulares de aço galvanizado.
Foto da autora Giovana Costa

Utilizar práticas mais sustentáveis na construção civil é um padrão de atuação que tem se mostrado cada vez mais necessário. Afinal, aplicar técnicas menos destrutivas e seguir normas nacionais, como a NBR 15575, e internacionais, como as certificações, pode reduzir os impactos ambientais, baratear custos e acelerar processos.

Algumas técnicas como a construção de casas com materiais pré-fabricados, a reutilização de resíduos e até o simples uso de materiais sustentáveis, como cimento feito à base de sal, por exemplo, já estão em uso. Algumas empresas têm utilizado formas diferentes de construção, baseadas na sustentabilidade.

Recentemente, a empresa francesa Saint-Gobain, gigante no mercado de materiais de construção mundial, fechou parceria com a gaúcha Quick House, reconhecida pelo modelo “Lego” de casas montadas a partir de painéis de aço modulares. Com o objetivo de construir imóveis modulares, erguidos “a seco”, e de modo a acelerar o tempo de construção, as empresas fecharam a parceria para contribuir com o novo programa habitacional Casa Verde e Amarela.

Construção a seco sendo realizada por meio de painéis modulares de aço galvanizado.
Construção a seco utilizando painéis modulares de aço galvanizado. Fonte: Quick House

A construtora Bild Desenvolvimento Imobiliário, por sua vez, investiu na adoção da tecnologia de construção a seco, por meio do edifício Neori Flex Home. Torre única, com 27 pavimentos e 216 unidades, o projeto permite flexibilidade de layouts, diversas soluções de otimização de serviços, como diferentes tamanhos ⏤ 43,58 m², 64,96 m² e 84,07 m² ⏤ e até junção de unidades.

De acordo com Dennyz Gomez, engenheiro e gerente de pesquisa e desenvolvimento da Bild, por meio desta técnica, um empreendimento de 27 pavimentos deixaria de emitir 433 mil kg de CO² na atmosfera, já que a logística deste tipo de construção evita o transporte de 222 viagens de carretas de 33 toneladas cada, em comparação com uma construção em moldes tradicionais, por exemplo.

A construção a seco pode ser feita por meio de placas de gesso, o famoso drywall, por paredes duplas de concreto, steel frame ou painéis EPS, por exemplo. O modelo é considerado mais sustentável, porque aumenta o controle de eventuais desperdícios, produzindo menos resíduos e ainda reduz o consumo de água. Pode inclusive diminuir o tempo de execução da obra, já que elimina as etapas de aplicação e secagem dos materiais tradicionais, oferecendo mais praticidade nas manutenções e, assim, aumentando a eficiência da construção.

Categorias
Foto da autora Giovana Costa
Jornalista entusiasta do audiovisual e editora com foco em SEO. Cobre o mercado imobiliário com foco nas inovações e nas novidades que transformam o setor (e o mundo).
Quer relatar sobre algum erro? Avise a gente
Compartilhe:
Mais conteúdos imobiliários:
Tapume interativo com parada para bikes. Fonte: Bild Desenvolvimento Imobiliário

Tapume interativo como gentileza urbana

Os tapumes que delimitam o canteiro de obras podem ser uma gentileza urbana para minimizar os impactos negativos de uma obra em fase de construção.
Foto da autora Thainá Neves
Thainá Neves
Ilustração do documentário "O Código Bill Gates".

Bill Gates, emissão zero de carbono e ESG

Algumas empresas estão trabalhando para zerar a emissão de carbono sobre suas operações e isso também será cobrado ao mercado imobiliário. Saiba como!
Foto do autor Alex Frachetta
Alex Frachetta
O mercado de resíduos sólidos favorece a economia circular. Conheça as soluções criadas por startups do setor.

As startups do mercado de resíduos da construção civil

O mercado de resíduos sólidos favorece a economia circular. Conheça as soluções criadas por startups do setor.
Foto da autora Thainá Neves
Thainá Neves