Logo do Blueprint
Fechar

As certificações de sustentabilidade são realmente necessárias?

As certificações se tornaram cada vez mais comuns em empreendimentos imobiliários, um grande passo dado pelo setor para se chegar à sustentabilidade.

TOP 10 países com maior número de certificações LEED em construções
Foto da autora Nathalia Zanardo

Ao longo dos anos alguns acontecimentos deixaram claro a necessidade de se preservar o meio ambiente, com isso o termo “sustentabilidade” ganhou notoriedade em diferentes setores. Baseado em aspectos econômicos, ambientais e sociais, o termo também começou a ser utilizado no mercado imobiliário, mas para garantir um melhor desempenho e assegurar a verdadeira intenção, as certificações surgiram.

Segundo o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE), 94% dos brasileiros estão preocupados com o meio ambiente. Isso ficou ainda mais evidente em 2021, em que 77% da população acredita que proteger o meio ambiente é prioridade, mesmo que isso resulte em um crescimento econômico menor. Mas para o mercado imobiliário as certificações podem ser um meio termo entre a economia e o meio ambiente.

Em 2019, o Brasil alcançou a 5ª colocação no ranking mundial de edificações com a certificação Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), com 571 edificações. Outros selos sustentáveis também surgiram, como a certificação AQUA, com o objetivo de fazer o melhor para o setor e para o meio ambiente. Suprindo as necessidades sem prejudicar o futuro, os certificados possuem inúmeras vantagens, como a redução em até 30% do consumo de energia, 50% do uso de água e 35% da emissão de gás carbônico.

Ranking TOP 10 países com maior concentração de certificação LEED em 2019. Fonte: GBCI

Mesmo com inúmeros pontos positivos, as certificações apresentam um custo adicional, que, mesmo “pago” a longo prazo, pode ser uma desvantagem no olhar imediato. De acordo com Rafael Rossi, fundador e diretor-administrativo da incorporadora Huma, é necessário ponderar o valor para o comprador final: “Eu vejo esses selos funcionando muito melhor com edifícios comerciais do que residenciais, [...] se o preço por metro quadrado for caro para região você não compra, o preço é determinante. No prédio comercial o selo pode baratear o condomínio, o que é um fator importante para quem está alugando o prédio.”

É um fato que as certificações vieram para ficar e cada vez mais demonstram sua importância no mercado imobiliário. Provavelmente, com o tempo, os custos poderão passar imperceptíveis e a conscientização fique ainda mais forte, afinal todos os setores precisam ser mais gentis com o meio ambiente, caso contrário o futuro não existirá.

Foto da autora Nathalia Zanardo
Arquiteta que entende a profissão como um transformador da sociedade. Acompanhando sempre os novos lançamentos do mercado imobiliário.
Quer relatar sobre algum erro? Avise a gente
Compartilhe:
Mais conteúdos imobiliários:
Mercado imobiliário cada vez mais verde

Mercado imobiliário cada vez mais verde

Saiba mais sobre a tendência do mercado imobiliário mais verde, construções e edifícios sustentáveis, com menos impacto ao meio ambiente.
Foto da autora Victória Baggio
Victória Baggio
espaço gourmet com banquetas altas desenvolvidas pelo Studio YOO. Na área externa, as cadeiras com tramas e as mesas também possuem um design diferenciado.

O segmento de luxo investe em mobiliário assinado

O mobiliário assinado busca a união entre experiência estética, funcionalidade e conforto. Veja como os residenciais de luxo estão utilizando as peças assinadas.
Foto da autora Thainá Neves
Thainá Neves
Obra Everdays: First 5,000 Days Fonte: Beeple

NFT tem futuro no mercado imobiliário

Confira como o token não fungível (NFT) tem contribuído com muita inovação no mundo das artes e como ele pode ser introduzido no mercado imobiliário num futuro próximo.
Foto do autor Alex Frachetta
Alex Frachetta