Logo do Blueprint
Fechar

Build-to-rent: novas possibilidades no Brasil

Com o contexto de juros altos mundialmente, sobretudo na Europa, por exemplo, o modelo build-to-rent surge como uma alternativa interessante, principalmente no Brasil.

Foto da autora Giovana Costa

Há um contexto de redução do poder de compra e uma diminuição na demanda por aquisição de moradia na Europa, em meio aos desdobramentos da guerra da Ucrânia, aos indícios da crise energética e ao desaquecimento do mercado chinês. E  com a possibilidade do aumento da inadimplência nos financiamentos imobiliários, devido ao crescimento das taxas de juros básicas, as incertezas só aumentam.

Nos Estados Unidos, por exemplo, com o aumento dos preços no mercado imobiliário nos últimos dois anos, com o desbalanceamento entre oferta e demanda de imóveis, as perspectivas de aumento da taxa de juros tendem a contribuir para que uma parcela maior da população se direcione para o aluguel; não por desejo próprio, mas sim pela necessidade.

A expectativa brasileira tem alguns riscos sobre o futuro dos ativos, mas há uma luz no fim do túnel, ou melhor, nos mercados a longo prazo. É o caso dos investimentos em moradias para renda, com o conceito de moradia sob demanda, os chamados build-to-rent (BTR), ou “construir para alugar”. Um conceito de moradia no qual residenciais são projetados por empresas com o propósito específico de alugar suas unidades.

Construção representa o processo chamado "build-to-rent".
O modelo build-to-rent traz novas possibilidades por meio do modelo por assinatura. Fonte: Unsplash

Este mercado tem sido impulsionado pela cultura do compartilhamento, uma característica forte da Geração Z. Atualmente, ele representa 80% do segmento de aluguel no setor imobiliário americano e tem ganhado destaque no Brasil. O mesmo acontece com os segmentos voltados para idosos e estudantes, senior livingstudent living, respectivamente.

Atualmente, algumas empresas têm apostado que o futuro da moradia é por assinatura; desse modo, em vez de a possibilidade de comprar prédios prontos, grandes investidores podem experimentar o modelo build-to-rent.

É o caso da Share, uma realização da Mitre Realty, por exemplo, que oferece o modelo student living, baseado em experiências globais, sem sair de casa. A ideia surgiu como uma forma de proporcionar uma experiência única para universitários que buscam espaços com vivências construtivas e pensadas para a fase da vida acadêmica.

O segmento no Brasil tem despertado o interesse entre investidores internacionais, sendo o risco cambial um dos poucos desafios a se enfrentar atualmente.

Foto da autora Giovana Costa
Jornalista entusiasta do audiovisual e editora com foco em SEO. Cobre o mercado imobiliário com foco nas inovações e nas novidades que transformam o setor (e o mundo).
Quer relatar sobre algum erro? Avise a gente
Compartilhe:
Mais conteúdos imobiliários:
blueprint retrospectiva 2022

✨ Retrospectiva 2022

Confira a retrospectiva especial que fizemos para destacar as 5 principais pautas do mercado imobiliário que foram mais acessadas em 2022.
Foto do autor Vince
Vince
Central Park Tower.

Mercado imobiliário nas alturas

Com o passar dos anos, o mercado imobiliário ficou cada vez mais vertical, valorizando os imóveis e agradando clientes que buscam exclusividade.
Foto da autora Nathalia Zanardo
Nathalia Zanardo
A madeira e a construção civil

A madeira e a construção civil

A utilização da madeira na construção civil garante diversos benefícios ambientais, mas também pode aumentar a produtividade e a eficiência da obra.
Foto da autora Nathalia Zanardo
Nathalia Zanardo