Logo do Blueprint
Logo do Blueprint

Há pouco mais de um ano, o mundo atravessava o início de um período que duraria mais do que o inicialmente imaginado, o qual nos fez mudar a maneira como vivemos e nos perguntar se ainda viveríamos nesses enormes centros urbanos. O fechamento de comércios, o trabalho transferido à modalidade home office e o alto custo de vida na cidade grande fizeram com que cidades vizinhas e bairros mais periféricos passassem a ser lugares de alta demanda para paulistanos. Mas o que de fato aconteceu com este chamado “êxodo urbano”?

Avenida Paulista aberta para padestres no domingo 18 de julho de 2021, após mais de um ano sem a modalidade.
Após quase um ano e meio, a Avenida Paulista reabre para pedestres aos domingos. Fonte: G1

Uma pesquisa americana baseada no estudo de dados de 45 milhões de celulares mostra que quem teve o privilégio do home office foram famílias e pessoas com alto poder aquisitivo, moradores de zonas nobres e estudantes de pós-graduação.

Enquanto moradores de bairros desfavorecidos permaneceram menos tempo em casa durante o lockdown, ou seja, tiveram que continuar saindo para trabalhar.

Atualmente, é possível observar a retomada do trabalho presencial, principalmente em modalidade flexível. E quem havia se distanciado dos grandes centros? Pesquisas apontam que as cidades estão voltando a ativa e com ainda mais força em lugares turísticos, como é o caso de Nova Iorque; e no Brasil cidades como Gramado, onde houve aumento de visitantes em relação a 2019. Após um ano de queda, os aluguéis estão voltando a aumentar em São Francisco, como mostra a Zillow; e em São Paulo também houve aumento de contratos fechados tanto no aluguel quanto nas vendas.

No fim, um ano após a saída das metrópoles, vemos que tal êxodo foi para poucos, deixando ainda mais visíveis disparidades sociais existentes, como ironicamente mostra a matéria "Urbanóides convictos estão se despedindo da vida pacata”, de The Summer Hunter. Ficando evidente que o principal público desse êxodo temporário foram os nômades digitais, que aproveitaram esse momento para viver novas experiências e agora estão retornando às metrópoles.

Compartilhe:

Mais conteúdos imobiliários:

Significado das siglas ESG.

ESG e o mercado imobiliário com propósito

Os microverdes chegaram para trazer sustentabilidade, inovação, agilidade e qualidade de vida para a população. Fonte: Pinterest

Microverdes: mais possibilidades para os condomínios

Gráfico feito pela Fundação João Pinheiro, do governo de Minas Gerais, mostra o avanço do déficit habitacional no Brasil e no Estado de São Paulo, de 2007 a 2015.

O déficit habitacional e as contradições do Centro de São Paulo

Mail Icon

Quer receber conteúdos como esse no seu e-mail gratuitamente?

O Blueprint respeita sua privacidade. Usamos cookies para melhorar sua experiência e ao continuar navegando você concorda com a nossa Política de Privacidade.