Logo do Blueprint
Logo do Blueprint

A produção de cimento para construção civil pode ser considerada um dos grandes vilões do meio ambiente, já que sua produção gera um grande custo ambiental. Responsável por cerca de 8% das emissões globais de CO₂, 4 bilhões de toneladas desse material são produzidas todos os anos, liberando mais de 1,5 bilhão de toneladas de CO₂ na atmosfera.

Com a preocupação ambiental sendo cada vez mais forte, as indústrias de cimento   se comprometeram em reduzir a emissão de gases poluentes, mas outras soluções, como o uso de materiais mais sustentáveis e a produção de concreto sem cimento, surgiram para que a construção civil se torne cada vez mais ecológica. Mas e se a solução para atingir a sustentabilidade fosse buscar materiais naturais que diminuem a poluição e garantem construções ainda mais resistentes?

Tanto o bambu quanto a madeira são materiais renováveis, altamente resistentes, que absorvem CO₂ e garantem uma obra rápida e econômica, por isso vêm sendo cada vez mais utilizados na construção civil. O bambu é um material tão resistente quanto o aço e gasta 50 vezes menos de energia na produção de elementos estruturais, além disso é capaz de reduzir em mais de 30% o custo de uma obra. A madeira também é um elemento leve e versátil, que a cada metro quadrado construído, consegue reduzir até em um décimo as emissões de CO₂, quando comparada a sistemas mais tradicionais.

O edifico mais alto construído em madeira será feito no Japão.
O maior edifício do mundo construído em madeira ficará pronto em 2042. Fonte: Revista Galileu

Esse tipo de construção ainda pode parecer um pouco distante da nossa realidade, mas alguns exemplos demonstram na prática a força de materiais renováveis em edificações, como no caso da empresa japonesa Sumitomo Forestry, que planeja construir o maior edifício em madeira do mundo, com 350 metros de altura e apenas 10% de sua estrutura feita de aço. Outro exemplo é a startup brasileira Noah, que começou seu primeiro projeto: um edifício de 11 andares em madeira, com o objetivo de reduzir o impacto da construção civil no meio ambiente e um plano futuro de construir cerca de dez prédios de madeira por ano no Brasil.

Assistindo ao episódio 3 da série Home ou ao TED Talks do arquiteto Michael Green, conseguimos mudar a perspectiva sobre esses materiais na construção civil. Pensando mais a fundo, percebemos que o emprego deles não só geraria um benefício ao meio ambiente, mas também à sociedade, uma solução que pode tornar o setor em mais verde e econômico.

Compartilhe:

Mais conteúdos imobiliários:

As cozinhas fantasmas (ou dark kitchens) são uma nova tendência em meio ao crescimento dos deliveries. Fonte: Unsplash

Cozinhas-fantasma e os espaços com fácil acesso

Estacionamento multifuncional com espaços para praticar exercícios.

Repensar o espaço de garagem como potencial

Tela de celular mostrando a plataforma Tuim em primeiro plano. Ao fundo, um notebbok aberto na Netflix enfatiza o avanço dos modelos de negócios por assinatura.

A Netflix da decoração

Mail Icon

Quer receber conteúdos como esse no seu e-mail gratuitamente?

O Blueprint respeita sua privacidade. Usamos cookies para melhorar sua experiência e ao continuar navegando você concorda com a nossa Política de Privacidade.