O fim dos formulários e o crescimento do marketing conversacional

Imagem mostrando interação do Vince com o cliente por meio da ferramenta whatsapp.
Alex Reis

Seria o final dos tempos para os formulários?  

Uma pesquisa recente feita pela Meta, dona do Facebook, do Instagram e do WhatsApp sobre os principais pontos de fricção na jornada de compra de um imóvel, mostra que sim. Os usuários não querem mais preencher formulários.

Slide mostrando os principais pontos de fricção na jornada online, o que inclui a necessidade de preencher formulários.
Slide mostrando os principais pontos de fricção na jornada on-line, o que inclui a necessidade de preencher formulários. Fonte: Meta

Na mesma pesquisa, foi possível identificar uma grande preferência por canais on-line, como Chat e WhatsApp. De acordo com os dados do site Statista, o WhatsApp é o canal de comunicação preferido por 96% dos brasileiros e atualmente estima-se que existam 120 milhões de contas ativas no Brasil.

Gráfico mostrando quantidades de usuários do WhatsApp em todo o mundo, sendo que a Índia lidera o hanking.
Gráfico mostrando quantidades de usuários do WhatsApp em todo o mundo, com a Índia liderando o hanking. Fonte: Statista

Mas como lidar com este desafio de remover um recurso extremamente importante como os formulários para a geração de leads?

Talvez a melhor resposta seja investir em diversificação de canais e marketing conversacional. Grandes incorporadoras do Brasil já estão utilizando esse canal com sucesso. A Direcional Engenharia foi uma das pioneiras do setor a investir em chatbot. O recurso oferece diversas opções, desde a busca por um apartamento até serviços de atendimento ao cliente para quem já adquiriu uma unidade. Outra empresa que também está investindo no WhatsApp é a Cyrela

Confira mais conteúdos sobre marketing e anuncie conosco!

O Apto já utiliza canais conversacionais como chat on-line que conecta os usuários diretamente com os anunciantes. Atualmente cerca de 65% dos usuários que convertem no site optam por este canal. A plataforma também está investindo em chatbot já integrado ao WhatsApp. O “Vince do Apto” é quem dá vida ao bot que faz recomendações de imóveis de maneira dinâmica utilizando inteligência artificial no processo. Com os investimentos recentes, o WhatsApp se tornou o segundo maior canal de aquisição para o Apto, com mais de 600 leads por mês.

Gif demonstrando a interação do chatbot do Apto no WhatsApp
Gif demonstrando a interação do chatbot do Apto no WhatsApp. Fonte: Apto

Acredito que o futuro do mercado imobiliário passa pela “omnicanalidade”. A jornada de compra de um imóvel novo é complexa e passa por vários pontos de contato. Por isso é extremamente importante estar atento às inovações e principalmente às demandas do consumidor para se manter vivo e não morrer abraçado com (o velho) formulário.

Alex Reis
Profissional de Marketing com mais de 10 anos de experiência em diferentes indústrias, atualmente responsável por gerar os leads mais qualificados do mercado imobiliário.
Quer relatar sobre algum erro? Avise a gente
Compartilhe:
Mais conteúdos imobiliários:
955 startups estão no Mapa das Construtechs & Proptechs 2022

955 startups estão no Mapa das Construtechs & Proptechs 2022

O Mapa das Construtechs & Proptechs 2022, feito pela Terracota Ventures, identificou 955 startups brasileiras inovando no mercado imobiliário.
Foto do autor Alex Frachetta
Alex Frachetta
O mercado de imóveis tem diversas oportunidades para novos negócios. Nesse sentido, as parcerias imobiliárias podem ser uma alternativa interessante para os corretores de imóveis.

Parcerias imobiliárias: como funcionam e como fazer? Confira 3 dicas!

Você sabe o que são e quais as vantagens das parcerias imobiliárias? Entenda como elas funcionam e conheça três dicas para firmá-las!
Foto do autor Vince
Vince
Recursos que podem facilitar a conversão de leads, pensando no cenário econômico atual e suas variantes.

Convertendo leads em vendas no atual cenário econômico

Como converter leads em vendas em um cenário econômico desafiador, dentre as variações da taxa Selic e a sensibilidade do mercado em um ano eleitoral.
Elton Ramos
Elton Ramos