Como o zoneamento emoldura o mercado imobiliário?

Bairro Vila Nova Conceição em São Paulo com paisagem delimitada ao fundo por edifícios e a frente por casas.
Foto da autora Nathalia Zanardo

Responsáveis por delimitar a ocupação de terrenos, o zoneamento possui um papel muito importante ao determinar as regras de atividades e construções em cada região de uma cidade. Mas funcionando como diretrizes para o uso e a ocupação do solo, como será que essas leis afetam e emolduram o mercado imobiliário local? 

Sendo um instrumento legal, essas diretrizes propostas consideram fatores para criação de zonas que organizam os espaços da cidade. Tais estratégias de zoneamento são fundamentais para guiar as construtoras, afinal, alguns locais elevam a habilidade de construir em 30% (em inglês), mudando drasticamente a altura dos edifícios e a porcentagem de ocupação do terreno.

Algumas zonas possuem interesses específicos por parte do governo, mudando a dinâmica do setor imobiliário local. Em São Paulo, por exemplo, o zoneamento modificou o perfil das construções e a quantidade de apartamentos se tornou maior do que a de casas. Este cenário foi reforçado através do Plano Diretor Estratégico de 2014, em que os Eixos de Estruturação da Transformação Urbana foram estimulados a serem adensados para resolver problemas de déficit habitacional e otimização da infraestrutura pública. 

Bairro Vila Nova Conceição em São Paulo com paisagem delimitada ao fundo por edifícios e a frente por casas.
Malha urbana do bairro Vila Nova Conceição em São Paulo mostrando como o zoneamento transforma a cidade. Fonte: Folha de São Paulo

As leis de zoneamento não necessariamente moldam imediatamente o mercado imobiliário. Para o professor Alberto Ajzental, os projetos de 2018 começaram a ser construídos apenas em 2020, durante a pandemia, afetando o mercado depois de alguns anos. Mesmo para organizar melhor as cidades, o zoneamento pode gerar diversas reações, desde protestos de moradores que não querem aquele futuro para alguma região, até a supervalorização de áreas das cidades ou o adensamento de regiões periféricas por populações mais pobres

Mas utilizar o zoneamento com um objetivo específico, como a verticalização de São Paulo, pode ser positivo, principalmente combinado a outras diretrizes para garantir o crescimento do mercado imobiliário e, ao mesmo tempo, permitir que as cidades sejam preservadas, distribuídas, harmônicas e igualitárias.

Categorias
Foto da autora Nathalia Zanardo
Arquiteta que entende a profissão como um transformador da sociedade. Acompanhando sempre os novos lançamentos do mercado imobiliário.
Quer relatar sobre algum erro? Avise a gente
Compartilhe:
Mais conteúdos imobiliários:
Excesso de conveniência e as tendências imobiliárias

Excesso de conveniência e as tendências imobiliárias

As tendências imobiliárias, incluindo o excesso de conveniência à nossa disposição, estão criando projetos, cidades e ajudando a formar nossa sociedade.
Foto do autor Alex Frachetta
Alex Frachetta
Ícones representam o movimento do êxodo rural: saindo da cidade para o campo.

Êxodo urbano e as influências da pandemia: entenda o movimento e as perspectivas para o futuro

O êxodo urbano se intensificou na pandemia provocada pela COVID-19. Conheça as influências desse movimento no setor e as perspectivas para o futuro!
Foto do autor Vince
Vince
 Edifício garagem com 4 pavimentos e fachada perfurada em material branco.

A reforma dos estacionamentos e o futuro das cidades

Mudanças na relação entre os estacionamentos e as cidades podem ser transformadoras para o futuro da mobilidade.
Foto da autora Thainá Neves
Thainá Neves