Logo do Blueprint
Fechar

O metaverso pode ser o futuro do mercado imobiliário?

O digital já faz parte do dia a dia do mercado imobiliário, mas e se um digital ainda mais futurista, idealista e tecnológico for o futuro do setor?

Cidade virtual no metaverso Decentraland.
Foto da autora Nathalia Zanardo

No mundo digital, sabemos que não existem limites a serem explorados; essas inúmeras possibilidades podem ser observadas principalmente no metaverso, um ambiente virtual imersivo, coletivo e hiper-realista que já vem sendo explorado por diversas empresas como a Meta (dona do Facebook) e a Microsoft. Por se tratar de um espaço fictício onde qualquer coisa pode ser feita e inventada, tudo pode ser criado ou comercializado, fazendo com que essa realidade seja cada vez mais "palpável" até mesmo para o mercado imobiliário. 

A infinidade de oportunidades fez com que o mercado imobiliário no metaverso se tornasse uma realidade, prevendo um boom imobiliário em 2022. Assim, terrenos, casas e edifícios virtuais podem ser comercializados por milhares de dólares, aumentando a especulação imobiliária virtual e desencadeando uma compra desenfreada, cenário que já pode ser confirmado com a venda do terreno pelo valor recorde de R$ 13 milhões. E apesar de parecer absurdo investir tão alto em um espaço virtual, diversas comercializações podem acontecer.

Cidade virtual no metaverso Decentraland.
Decentraland, um dos metaversos mais populares para compra e venda de terrenos virtuais. Fonte: Exame

O mercado imobiliário também poderia utilizar o ambiente virtual para lançar projetos reais, assim compradores reais poderiam vivenciar o empreendimento através de seus avatares no mundo virtual. Além disso, compradores virtuais (controlados por pessoas reais) poderiam adquirir versões daqueles apartamentos no metaverso, funcionando como uma espécie de venda dupla de um único empreendimento. 

Mesmo que a comercialização de imóveis no mundo digital pareça algo novo, em 2007 a Tecnisa já era a primeira incorporadora brasileira a interagir através do metaverso, no qual apartamentos eram comercializados pelo Second Life, ambiente virtual onde a vida real era simulada. Então, por que o mercado não pode tirar proveito e começar a investir em um mundo “não tangível”? Afinal, pesquisas apontam que o metaverso possui uma oportunidade de mercado de até 800 bilhões de dólares (em inglês).

Foto da autora Nathalia Zanardo
Arquiteta que entende a profissão como um transformador da sociedade. Acompanhando sempre os novos lançamentos do mercado imobiliário.
Quer relatar sobre algum erro? Avise a gente
Compartilhe:
Mais conteúdos imobiliários:
Edifício Can Cube com fachada feita totalmente coberta por latas de alumínio. Fonte: Archdaily

Materiais recicláveis, uma forma de respeito e economia na construção

A sustentabilidade vem sendo cada vez mais discutida na construção civil e para alcançá-la talvez os materiais recicláveis possam ser o futuro.
Foto da autora Nathalia Zanardo
Nathalia Zanardo
Criem o hábito de visitar estandes de vendas

Criem o hábito de visitar estandes de vendas

Visitar estandes é a melhor forma de aprender os detalhes mais significativos para o mercado imobiliário e entender os prós e contras de cada projeto.
Foto do autor Alex Frachetta
Alex Frachetta
Área de convívio de empreendimento econômico, um espaço coberto que dá acesso a uma área ajardinada, salão de festas, fitness, churrasqueira, coworking e mais.

O que há nas áreas comuns dos residenciais econômicos?

A comodidade das áreas comuns é um aspecto importante também nos empreendimentos econômicos. Os recentes lançamentos mostram isso na prática.
Foto da autora Thainá Neves
Thainá Neves