Logo do Blueprint
Logo do Blueprint

A pandemia trouxe mudanças vitais para todos, desde a maneira como habitamos nossa casa, vivemos a cidade, nos locomovemos, até a forma como enfrentamos o mundo. Mais conectados do que nunca, diante dessa situação a sociedade civil agiu de maneira rápida, com doações variadas e significativas, como confirma a socióloga Neca Setubal em entrevista. O mercado imobiliário não ficou de fora dessa, atuando em ações criativas pontuais e em programas sociais completos.  

Importantes construtoras e incorporadoras de diversos lugares do país vêm mostrando foco para além de bons resultados no mercado, investindo em seu papel social na sociedade e incluindo a filantropia como uma de suas áreas de atuação, inclusive criando instituições exclusivamente para isso. Os projetos sociais das empresas do mercado imobiliário abrangem diversas temáticas e propósitos, como educação, profissionalização e sustentabilidade, por exemplo.

Na Cyrela, por exemplo, a filantropia está presente desde o início da empresa como característica importante e necessária. Ajudar ao próximo é um valor constantemente falado e exercido pelo fundador, Elie Horn. A empresa é criadora do Instituto Cyrela, que desde 2011 investe em educação, vislumbrando transformar o futuro de muitas pessoas. 

Voluntária da Cyrela. Fonte: Instituto Cyrela

Já a construtora MRV fundou, em 2014, o Instituto MRV, que tem como objetivo promover a transformação social por meio de projetos que estimulem o desenvolvimento de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. A construtora investe 1% do seu lucro líquido anual em projetos do Instituto. 

Assim como tais construtoras, a Even, que conta com o Even Sustentável, é outro exemplo de empresa do mercado imobiliário que vem investindo em projetos filantrópicos que, de fato, estão fazendo a diferença na vida de muitos brasileiros. 

Embora tais ações chamem a atenção, o investimento em filantropia no Brasil ainda é escasso, não alcançando 0,2% do PIB, enquanto nos Estados Unidos é de 2%, por exemplo. Isso faz com que a participação social seja urgente no país, com necessidades básicas ainda em déficit. O mercado imobiliário tem muito a contribuir para a construção de uma sociedade mais humana, receptiva e com melhor qualidade de vida.

Sua empresa atua socialmente por meio de projetos filantrópicos? Você conhece mais algum exemplo como esses? Conte para a gente e faça parte do mercado imobiliário que colabora, para além da construção de cidades, para um mundo melhor para todos.

Compartilhe:

Mais conteúdos imobiliários:

Case de Sucesso: Black Friday no mercado imobiliário

Case de Sucesso: Black Friday no mercado imobiliário

Liderança feminina no mercado imobiliário

Liderança feminina no mercado imobiliário

Normativas e inovações marcam a retomada das atividades do mercado imobiliário

Normativas e inovações marcam a retomada das atividades do mercado imobiliário

Quer receber conteúdos como esse no seu e-mail gratuitamente?

O Blueprint respeita sua privacidade. Usamos cookies para melhorar sua experiência e ao continuar navegando você concorda com a nossa Política de Privacidade.