Logo do Blueprint
Fechar

As polêmicas moradias subterrâneas na Coreia do Sul

O filme Parasita mostrou para o mundo um grande problema habitacional sul coreano, atraindo discussões sobre a segurança habitacional e o direito à moradia.

Ganhador do Oscar de Melhor Filme em 2020, Parasita foi premiado com um enredo crítico sobre desigualdades de classe e problemas habitacionais. No desenrolar da história, duas famílias com realidades bem diferentes se cruzam: enquanto uma família é rica e mora em uma casa luxuosa, a outra família é pobre e precisa morar em uma espécie de porão. 

Poderia ser apenas um cenário para o filme, mas as moradias subterrâneas são bem comuns na Coreia do Sul. Chamados de banjihas, os “apartamentos-porão” são pequenos e não possuem iluminação natural, tornando o espaço quase insalubre para se viver. Mas em um momento em que os preços de moradias explodiram no país e os aluguéis aumentaram, muitas pessoas recorreram a eles como a única alternativa.

Moradia subterrânea na Coreia do Sul.
Pequenos e mal-iluminados, os banjihas são a realidade de centenas de milhares de pessoas. Fonte: BBC

Quando as chuvas intensas atingiram a Coreia do Sul em 2022, a vida imitou a arte e as inundações retratadas no filme viraram realidade. Os apartamentos subterrâneos ficaram totalmente embaixo d'água e, pelo menos, três pessoas morreram afogadas. Por conta dos perigos e dos riscos, o país decidiu eliminar os banjihas e prometeu criar habitações para as famílias. Mas promessas como essas já foram feitas e não foram cumpridas, o que pode deixar milhares de pessoas sem ter onde morar. 

No Brasil, apesar de as condições não serem iguais aos banjihas, o problema habitacional existe de uma maneira muito parecida. Em um momento de instabilidade, o aluguel residencial aumentou 15,95% em um ano, fazendo com que quase 9 milhões de brasileiros fossem obrigados a morar em áreas de risco sujeitas a deslizamentos e enchentes. Episódios como o de Petrópolis mostram a falta de segurança habitacional no País, enquanto milhares de pessoas continuam aguardando por suas casas.

Foto da autora Nathalia Zanardo

Foto da autora Nathalia Zanardo
Arquiteta que entende a profissão como um transformador da sociedade. Acompanhando sempre os novos lançamentos do mercado imobiliário.

Assine a news do Blueprint

Assine Grátis e receba a news semanal com os melhores conteúdos do mercado imobiliário.

Quer relatar sobre algum erro? Avise a gente
Compartilhe: