O clássico conceito de comprar imóvel

Compradores de imóveis: onde vivem, o que fazem, do que se alimentam?

O Globo Repórter da semana passada falou sobre a dificuldade do emprego que se agravou durante a pandemia e mostrou exemplos de pessoas que tiveram que usar a criatividade para dar a volta por cima. Espontaneamente, quase todos falaram que estão na batalha da vida para realizar o maior sonho, que é comprar o imóvel próprio.

Aqui no Apto, especializado em imóveis novos, o tíquete médio dos imóveis é de R$ 622 mil. Para comprar um imóvel nesse valor, dando uma entrada de 20%, a família precisa ter uma renda de cerca de R$ 14.000/mês.

A Pesquisa de Orçamentos Familiares – 2008-2009, do IBGE, informa que no Brasil existem 2.204.938 famílias com rendimento de mais de R$ 10.375/mês. Isso significa que o Apto se comunica principalmente com apenas 3,8% das famílias brasileiras. 

Se considerarmos todo o universo de imóveis à venda, novos ou usados, podemos afirmar que 31% das famílias brasileiras tem poder de compra de imóvel. É uma conclusão com segurança, afinal somei apenas as famílias com rendimento superior a R$ 2.490/mês, mas com um pouco menos também é possível comprar.

Funil imobiliário com taxas de conversão. Fonte: Apto.

Como compram? 82% acessam o Apto pelo celular, com pico das 20h às 22h. O dia da semana com maior acesso é o Domingo. Normalmente as pessoas namoram cerca de 10 empreendimentos, visitam 4 até comprarem o imóvel perfeito para elas. 💙

Como financiam? O tempo de decisão médio do mercado é de 6 meses. Muito desse tempo se deve à burocracia sobre financiamento imobiliário. Segundo o Itaú, as pessoas financiam em 30 anos, mas a média de quitação é de 9 anos.

Como vivem? Isso é para um próximo Globo Repórter. 🙂