Mercado imobiliário 2020 e 2021: o que esperar do setor?

A pandemia provocada pela covid-19 modificou diversos setores da sociedade, inclusive nosso trabalho e lazer. Com o mercado imobiliário também não foi diferente.

Para 2020 e 2021, podemos esperar muitas mudanças no setor. Afinal, a pandemia mudou a forma como nos relacionamos, a maneira como consumimos e muitos dos nossos interesses.

Até mesmo a forma como pensamos no mercado imobiliário e nossas preferências em imóveis – para morar ou investir – sofreram ajustes. Por isso, vale a pena entender o que esperar do setor nos próximos anos.

Para ajudar você a entender essas mudanças, preparamos um artigo completo sobre o assunto. Continue a leitura para entender a nova realidade pós-pandemia e como ela impactará o mercado imobiliário.

Acompanhe!

Crise do coronavírus e o mercado imobiliário: qual é a relação?

Para conhecer as mudanças no setor imobiliário em 2020 e 2021, é essencial entender um pouco das alterações que a sociedade, de forma geral, sofreu no cotidiano por causa da obrigatoriedade da quarentena e do distanciamento social por conta da pandemia.

Com o surgimento de um novo vírus, a maioria da população mundial precisou adotar medidas para evitar a maior proliferação da covid-19. Assim, o fechamento de diversos locais e as restrições de trânsito foram colocadas em prática para evitar aglomerações e a contaminação em massa.

Em diversos lugares, acompanhamos medidas rigorosas, como o lockdown, que obrigou muita gente a passar ainda mais tempo dentro de suas casas. Por isso, no Brasil, muitas mudanças tornaram-se inevitáveis. As mais evidentes ocorreram no mercado de trabalho.

O mercado de trabalho na pandemia

O cotidiano corporativo mudou muito. Em diversos municípios do país, inúmeros estabelecimentos fecharam, obras foram suspensas e muitos trabalhadores precisaram encontrar outras formas de conseguir renda sem precisar sair de suas residências.

Aqueles que trabalhavam em empresas, quando possível, também passaram a trabalhar em casa. Diversas companhias, inclusive, adotaram o home office como formato oficial de trabalho, caso da fintech Nubank e da corretora de valores XP, que estuda implementar esse modelo de forma permanente.

O lazer durante a pandemia

O lazer é outro setor que merece destaque para entendermos os impactos da pandemia no mercado imobiliário. Afinal, ele sofreu enormes mudanças. Os indivíduos tiveram de adequar suas rotinas e a forma de se divertir, exercitar ou descansar dentro de suas residências.

Encontros e atividades em grupo foram proibidas, bem como atividades em locais públicos, como praças, shoppings e parques. A pandemia trouxe o aumento do consumo dos serviços de streaming de vídeo e das entregas em domicílio.

Assim, a crise do coronavírus tornou a residência das pessoas não apenas o local de descanso e moradia, mas também o lugar de trabalho e de lazer. Se a necessidade de ter espaço para descansar, se divertir, trabalhar e fazer o que gosta era fator secundário, passou a ser essencial.

As mudanças no trabalho e no lazer da população, portanto, foram as duas principais responsáveis pelas grandes alterações no setor imobiliário – que deverão se perpetuar ao longo dos próximos anos. Afinal, muitas dessas alterações serão permanentes, mesmo que a pandemia não seja eterna.

Essa relação, portanto, precisa ser considerada para se entender o que esperar do setor imobiliário pós-pandemia e quais mudanças poderemos acompanhar a partir de agora nesse segmento.

O que esperar do ramo imobiliário pós-pandemia?

Como você pôde perceber, a pandemia trouxe mudanças profundas ao mercado imobiliário em 2020. E esse processo de ajuste deve seguir ao longo de 2021. Certas tendências, inclusive, podem ter espaço ao longo de muitos anos, ao menos no Brasil.

Felizmente, a maior parte dessas mudanças é positiva para o setor. Muitas delas, inclusive, fizeram o setor imobiliário ganhar força e chamar cada vez mais a atenção de quem busca por um imóvel para moradia ou até mesmo para investimentos.

Confira, a seguir, alguns dos principais pontos do mercado imobiliário que sofreram ajustes e que devem impulsionar ainda mais o segmento a partir de agora:

A forma como as pessoas escolhem seus imóveis será diferente

Como você já sabe, a residência de uma família não é mais vista apenas como moradia ou local de descanso. Afinal, com a pandemia, muitos descobriram que ela pode ser a sua moradia, o seu local de trabalho e até mesmo um ambiente de lazer.

Por isso, a maneira como as pessoas escolhem imóveis para a moradia não é mais a mesma, e os requisitos para escolhê-los também.

De acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o home office deverá crescer cerca de 30% após a pandemia. Esse formato de trabalho continuará em alta, especialmente em grandes cidades. Isso porque o home office pode gerar economia de tempo e dinheiro e até mesmo trazer aos trabalhadores mais qualidade de vida.

Por isso, a procura por casas e apartamentos maiores e com ambientes bem divididos aumentou muito nos últimos meses. E deve seguir avançando.

Novas escolhas

A pandemia também reforçou o desejo das pessoas de escolher a região ideal para viver com base em seus objetivos e em seu estilo de vida. De acordo com especialistas do mercado imobiliário, a busca por oportunidades em cidades mais distantes das capitais brasileiras será cada vez maior, sendo este mais um dos diversos impactos da pandemia no mercado imobiliário. O principal motivo é a flexibilidade do home office.

De acordo com o especialista imobiliário Alex Frachetta, muitas pessoas passarão a procurar por imóveis em regiões que apreciam, como é o caso de Barueri e Atibaia, por exemplo, no estado de São Paulo.

“Antes da pandemia, como trabalhavam fora de casa, muitas dessas pessoas não tinham coragem de se mudar pelo fato de essas cidades serem mais distantes da capital paulista. Agora é diferente”, acredita Frachetta.

Ou seja, o home office permitirá às pessoas realizar o desejo de morar na região que, de fato, atenda aos seus anseios. Segundo Frachetta, “sem a rotina de ir diariamente ao trabalho, a decisão de se mudar se tornou mais fácil e possível”.

A avaliação dos imóveis será mais criteriosa

A nova maneira de escolher imóveis de acordo com o local em que se deseja viver – e ter uma maior qualidade de vida – e com as possibilidades que ele oferece em termos de área útil e lazer também deve impactar fortemente o ramo imobiliário.

Agora, o setor deverá se preparar para atender essas novas demandas, que deverão crescer conforme a maior adesão ao home office após a pandemia.

Além de se atentar a essa mudança, o setor imobiliário precisa entender que poderá lidar com consumidores mais exigentes. Isso porque a crise evidenciou ainda mais a importância de escolher imóveis residenciais para investir ou morar que sejam de qualidade e adequados a um novo público que está surgindo.

Os consumidores passarão a avaliar muito mais todos os aspectos envolvidos antes de comprar um imóvel. E, inclusive, deverão considerar com mais afinco seus objetivos e suas necessidades na tomada de decisão.

Antes da pandemia, por exemplo, havia certa procura por espaços menores e mais compactos. Algumas empresas até ganharam notoriedade por oferecerem estúdios de dez metros quadrados e outros tipos de imóveis compactos nos últimos anos.

Entretanto, se antes muitos pensavam apenas em ter um empreendimento para morar ou alugar, por exemplo, agora avaliarão com cuidado diversos aspectos relacionados às alternativas disponíveis no mercado. Por exemplo, o número de quartos, a divisão dos cômodos, o tamanho da área de lazer, o espaço para descanso etc.

Outros quesitos, que antes não faziam parte da lista dos compradores, poderão também ser decisivos nessa escolha. É o caso, por exemplo, do fácil acesso a comodidades, como os serviços de delivery, que deverão ser considerados pelos compradores e investidores, a partir de agora, na hora de adquirir um imóvel.

A procura por imóveis continuará em alta

É importante ressaltar, contudo, que, enquanto diversos setores da economia tiveram prejuízos, o ramo imobiliário continuou forte mesmo durante a pandemia. E a tendência é que esse setor seja cada vez mais procurado e continue crescendo.

Nesse aspecto, podemos destacar, mais uma vez, o aumento da procura por imóveis maiores e mais confortáveis, sejam eles casas ou apartamentos. Alternativas em condomínios fechados de casas, por exemplo, também serão bastante procuradas em 2020 e 2021.

Essa procura manterá o mercado aquecido e trará inúmeras oportunidades a compradores e investidores que desejam se expor à solidez do mercado imobiliário.

Quais são as oportunidades do mercado imobiliário para investidores?

Você viu até aqui que o mercado imobiliário demonstrou forte resiliência durante uma das crises mais desafiadoras da história mundial. Por isso, é fácil entender por que ele apresenta inúmeras oportunidades para quem deseja investir em imóveis.

Seja durante ou após a crise do coronavírus, quem compra um bem com o objetivo de investir pode encontrar diversas vantagens em se expor ao setor.

Confira, agora, alguns dos principais benefícios de investir em um imóvel, os quais todo investidor precisa conhecer. Acompanhe!

Segurança

Comprar um imóvel pode ser considerado um investimento seguro. Primeiro porque, ao ter dinheiro aplicado em um empreendimento, você fica imune aos riscos relacionados à falência de instituições financeiras, ou mesmo aos perigos inerentes a produtos ou ativos financeiros.

A bolsa de valores, por exemplo, caiu bastante durante a pandemia causada pelo coronavírus, e muitos investidores tiveram grandes prejuízos. Isso não ocorreu com aqueles que possuem investimentos em imóveis. Afinal, durante uma crise ou fora dela, o imóvel continua sendo seu e pode até mesmo se valorizar.

O segundo motivo é simples: as pessoas precisam – e sempre precisarão – de imóveis, seja para moradia ou fins comerciais. Dessa forma, é possível encontrar com facilidade interessados em comprar ou alugar imóveis fazendo valer o investimento realizado.

Rendimentos contínuos

A demanda por aluguel costuma ser constante, principalmente nas regiões mais desejadas pela população brasileira. É o caso, por exemplo, de grandes capitais, como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, entre outras.

Por esse motivo, é sempre possível encontrar interessados em alugar o seu imóvel, o que resulta em ganhos recorrentes, inclusive durante as crises.

Possibilidade de valorização

Aqueles que cuidam bem de seus imóveis, fazem melhorias e mantêm o local sempre em boas condições têm grandes chances de vê-los se valorizar a qualquer tempo. Qualquer imóvel pode valorizar ainda mais, caso haja melhorias e investimentos no bairro, na rua ou na região onde está localizado.

Em ambos os casos, é possível aumentar o valor do aluguel ou revendê-lo por um preço mais alto, garantindo bons lucros ou aumentando seus rendimentos ao longo do tempo.

O setor está sempre em evolução

Além dos benefícios de poder lucrar com um imóvel, o setor imobiliário está em constante aprimoramento. Diversas novidades surgem com frequência, beneficiando tanto aqueles que desejam adquirir um imóvel para moradia quanto quem deseja investir no setor.  

As startups do mercado imobiliário, por exemplo, como as construtechs e as proptechs,  costumam fortalecer o setor e ajudam a aquecer ainda mais o segmento imobiliário, dando maior visibilidade a ele e democratizando o acesso a esse mercado.

As construtechs são startups focadas em desenvolver tecnologias para resolver problemas e agilizar processos de engenharia e construção. As proptechs também focam em tecnologias aplicáveis ao mercado imobiliário, seja criando softwares, hardwares ou até materiais para construção.

Ambas são tendências no mercado imobiliário e são importantes para manter o segmento em constante expansão.

Como acompanhar as mudanças do mercado imobiliário em 2020 e 2021?

Como você pôde perceber ao longo deste conteúdo completo, o mercado imobiliário é tradicional, resiliente e bastante sólido, apresentando crescimento e oportunidades de negócios até mesmo durante as crises.

A pandemia da covid-19 trouxe desafios para o setor, mas também inúmeras mudanças positivas. Por isso, se você deseja usufruir das vantagens e oportunidades do mercado imobiliário a partir de agora, precisa se atentar e acompanhar as mudanças do segmento em 2020 e 2021.

Para manter-se atualizado acerca das possibilidades que o setor oferece a compradores e investidores, vale a pena garantir seu cadastro na newsletter Blueprint. Com ela você tem acesso a um conteúdo semanal completo, que lhe ajudará a se manter por dentro do mercado imobiliário.

Por isso, assine agora mesmo a newsletter Blueprint e receba os melhores conteúdos sobre o tema no seu e-mail!